Parceira

A política externa da Índia no século 21

Questão de 03, 2019

autora

Anil Wadhwa

A política externa da Índia no século 21

Anil Wadhwa |autora

Questão de 03, 2019


À medida que a ordem mundial muda, o país está traçando um novo curso inclusivo em suas relações diplomáticas, diz o ex-embaixador Anil Wadhwa

A política externa da Índia no século XXI foi dominada pela busca de criar um ambiente favorável em sua vizinhança e no mundo, o que permite que sua economia cresça, sua sociedade se desenvolva e seu poder brando floresça – como este país de 1,3 bilhão de pessoas procura seu lugar de direito na comunidade das nações. Após quase três décadas de reformas e abertura ao mundo exterior, a Índia enfrenta novos desafios à sua segurança e à exigência de um aumento do fluxo de capital, tecnologia, idéias e inovação para sua transformação acelerada. Níveis crescentes de comércio, fluxo de trabalho e tecnologia, em um mundo cada vez mais interconectado, asseguraram que a Índia necessitasse garantir seu suprimento de energia, adquirir recursos naturais vitais para o desenvolvimento, manter vias de comunicação abertas no mar, buscar oportunidades de comércio e investimento no exterior enquanto se abria. para o mundo exterior e trabalhar através de instituições multilaterais para garantir uma ordem baseada em regras e um regime liberalizado de comércio e investimento.

O primeiro-ministro Narendra Modi (terceira fila da esquerda) com outros chefes de estado na cúpula da Organização de Cooperação de Xangai em Bishkek, Junho 2019

A última década viu o mundo mudar de caráter – o domínio da única superpotência – os Estados Unidos foram desafiados por uma nova distribuição de poder no sistema internacional, e a China se tornou um desafiante ao domínio dos EUA. As novas áreas de conflito são baseadas no domínio da tecnologia e na capacidade de se desenvolver exponencialmente nos poderes de inteligência artificial, Internet das Coisas, aprendizado de máquina e robótica, mesmo quando as mudanças climáticas, a insegurança alimentar e o terrorismo ameaçam atrapalhar o progresso da humanidade.

A Índia sempre se concentrou em sua vizinhança e periferia imediatas para garantir um ambiente estável para seu crescimento. O sul da Ásia, em particular, tem um lugar especial na política externa da Índia. A Índia está trabalhando para construir relações mais fortes com o Sri Lanka, Bangladesh, Butão, Nepal, Mianmar, Maldivas e Paquistão. A Índia também está tentando manter um equilíbrio em seus laços com a China. Na frente bilateral, o impasse de Doklam com a China foi anulado após a reunião de cúpula entre as duas lideranças no ano passado, e é provável que o processo de encontrar ajustes cooperativos com a China continue.

Nos últimos anos, houve renovados laços com a ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático), concentração em projetos de conectividade – físicos, digitais e culturais. Os laços de defesa da Índia com Cingapura, Vietnã, Malásia, Indonésia e Filipinas tiveram um progresso notável. O conceito de Indo-Pacífico ganhou dinheiro e o Quad surgiu como um agrupamento informal dos EUA, Japão, Austrália e Índia – democracias com idéias semelhantes que desejam manter o estado de direito, a liberdade de navegação e sobrevôos, a paz e a estabilidade. na região. O conceito da Índia do Indo-Pacífico coincide com o da ASEAN – que o Indo-Pacífico é um conceito inclusivo, não busca isolar nenhum país do interesse de ninguém, que a ASEAN permanece central no conceito e que busca arranjos cooperativos para o desenvolvimento e prosperidade de todos na região. Os laços da Índia com a ASEAN progrediram de forma constante e a Índia conseguiu estabelecer uma série de acordos no campo da conscientização do domínio marítimo. A Índia, juntamente com a ASEAN, China, Austrália, Nova Zelândia, Japão e Coréia do Sul, também está atualmente envolvida na negociação do Acordo de Parceria de Cooperação Econômica Global Abrangente (RCEP) que, se concluído com sucesso, será um desenvolvimento de longo alcance na região.

  Participantes da 21ª Reunião de Altos Funcionários da ASEAN-Índia (SOM), realizada em abril de 2019 em Nova Délhi

A parceria Índia-África está a caminho de alcançar maiores alturas, com base nos 10 princípios orientadores delineados pelo primeiro-ministro Narendra Modi. Em sua vizinhança estendida ao oeste, a Índia tem enormes participações no suprimento de energia, sete milhões de diáspora que vivem e trabalham lá, além de laços comerciais, de investimento e de segurança com a região, que todos viram um aumento. A Índia tem um interesse vital na estabilidade da região e, portanto, desconfia de uma escalada de conflitos entre os EUA e o Irã, que afeta diretamente sua segurança energética e conectividade com os países da Ásia Central. Além da periferia da Índia, o país também expandiu seus círculos de engajamento, começando pela Ásia Central, onde agora é um participante ativo da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e está trabalhando para um acordo econômico com a Comunidade da Eurásia; Europa, onde estabeleceu laços estreitos com países como Alemanha, França, Espanha, Itália, Reino Unido, etc; e América Latina, com quem o comércio e os investimentos floresceram e os recursos naturais se tornaram uma nova área de colaboração. A Rússia continua sendo um parceiro de defesa confiável e de longa data, mas os dois lados estão explorando novos caminhos para revigorar a parceria econômica, após uma reunião de cúpula no ano passado em Sochi, entre as duas lideranças. Os relacionamentos com Israel, Coréia do Sul e Austrália também tiveram expansão. O relacionamento da Índia com os Estados Unidos assumiu um caráter multi-vetorial. Defesa, ciência e tecnologia, contatos pessoais e comerciais e investimentos tornaram-se pilares importantes desse relacionamento.

Na arena multilateral, a Índia se esforçará para obter uma adesão permanente ao Conselho de Segurança da ONU, que merece com base em sua contribuição para as operações de manutenção da paz, seu histórico de apoio à paz e segurança internacional e devido à sua grande população.
A Índia emergiu como uma defensora das mudanças climáticas, energia limpa e lidera a aliança internacional solar. Está trabalhando com organizações regionais como a IORA (Associação da Orla do Oceano Índico) para desenvolver a economia azul na região e sempre defendeu uma convenção abrangente sobre o combate ao terrorismo, em nível internacional. Ele assumiu a liderança na reforma da governança global – seja a ONU, instituições financeiras internacionais ou o G20 e está pronto para presidir o G20 em 2022. Em última análise, a política externa da Índia está sendo moldada nos requisitos de seu constituintes domésticos, seus programas de desenvolvimento e seu desejo de trazer tecnologia e capital para seu progresso econômico e científico.

Anil Wadhwa

Anil Wadhwa serviu como embaixador indiano na Itália, Polônia, Omã e Tailândia. Membro do Serviço Exterior da Índia de 1 de julho de 1979 a 31 de maio de 2017, Wadhwa serviu nas missões indianas em Hong Kong, Pequim, Genebra, Varsóvia, Muscat, Bangkok e Roma. Atualmente, é membro sênior e líder de agrupamentos da Vivekananda International Foundation em Nova Delhi.
error: Content is protected !!