Parceira

Saudações do Leste

Edição 05, 2019

Saudações do Leste

Anil Wadhwa |autora

Edição 05, 2019


Na última década, a Índia fez um esforço significativo para estabelecer laços mais fortes com os vizinhos do leste. Com o Primeiro-Ministro Narendra Modi a viajar recentemente para a Tailândia para a Cimeira do Leste Asiático, o ex-embaixador Anil Wadhwa destaca os fatores definidores da visita

Nos últimos anos, a Índia fez progressos substanciais nos laços com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e nos seus quadros relacionados, como o Fórum Regional da ASEAN (ARF), a Cimeira da Ásia Oriental (EAS) e os Minisitros da Defesa da ASEAN Mais (ADMM +). De um parceiro de diálogo em 1996, a Índia veio de um longo caminho até ao seu status de Parceiro de Nível da Cimeira em 2002 e Parceiro Estratégico da ASEAN em 2012. A Índia envolve a ASEAN em mais de 30 diálogos de alto nível em diversos campos. Além disso, durante o EAS, o Primeiro Ministro Narendra Modi também participou da 16ª Cimeira Índia-ASEAN, 14ª Cimeira do Leste Asiático e a 3ª Cimeira da Parceria Econômica Global Abrangente (RCEP).

Laços estratégicos

Na Cimeira da ASEAN-Índia (2 a 4 de novembro de 2019), o Primeiro-Ministro Modi apreciou a coordenação mútua da perspectiva Indo-Pacífica entre a Índia e a ASEAN, que define a visão da centralidade do sudeste da Ásia. Ele repetiu que a Índia gostaria de fortalecer o seu relacionamento com a ASEAN em áreas de segurança marítima, economia azul e na assistência humanitária e socorro a desastres. A Índia oferecerá 1000 bolsas de douturamento para estudantes da ASEAN no Instituto Indiano da Tecnologia, com sede em Nova Déli, um dos institutos de tecnologia mais conceituados do mundo.

Primeiro-Ministro Modi interage com crianças da Comunidade Indiana em Bangkok durante a sua visita

A Índia precisa de uma integração econômica mais profunda com os 1,85 bilhões de pessoas da ASEAN, com um PIB (Produto Interno Bruto) combinado de US$ 3,8 trilhões. O comércio bilateral está atualmente em US$ 81,33 bilhões. Com a ASEAN a investir US$ 68,91 bilhões entre abril de 2000 e março de 2018 na Índia, e a Índia investiu US$ 36,67 bilhões na ASEAN entre 2007 e 2015.

O Primeiro-Ministro interage com membros da Comunidade Indiana antes do evento ‘Sawasdee Modi’ em Bangkok durante a sua recente visita à Tailândia

A 14ª Cimeira do Leste Asiático também concentrou-se na segurança e no cibercrime. Houve uma revisão da direção futura da cooperação do EAS e troca de pontos de vista sobre questões regionais e internacionais. O Primeiro-Ministro Modi propôs uma nova iniciativa para a criação de um domínio marítimo seguro e protegido na região Indo-Pacífico e também sugeriu uma iniciativa para fortalecer a economia azul (uso sustentável dos recursos oceânicos para o crescimento econômico). Os participantes do EAS, além da ASEAN, incluem Índia, China, Japão, República da Coreia, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Rússia.

o Primeiro-Ministro Modi dirige-se à Comunidade Indiana de Bangkok durante a sua visita.

Uma posição resoluta

Durante a sua visita, o Primeiro Ministro também participou na 3ª edição da Cimeira da RCEP. O RCEP é um TLC proposto com os 10 membros da ASEAN, juntamente com os seus seis parceiros – Austrália, China, Índia, Japão, Coreia do Sul e Nova Zelândia. No entanto, a 4 de novembro, 16 dos países participantes emitiram uma declaração a informar que 15 deles haviam concluído negociações baseadas em texto e continuarão para assinar o acordo em 2020. Após sete longos anos de negociações, com questões significativas que ainda não foram resolvidas, a delegação Indiana emitiu uma declaração final a afirmar que a sua participação “dependerá da resolução satisfatória desses problemas”. Composto por metade da população mundial e respondendo a quase 40% do comércio global e 35% do PIB, o RCEP poderia-se ter tornado a maior área de livre comércio do mundo, com a Índia sendo a terceira maior economia, se fosse parte dela.

A Índia está de maneira proativa, construtiva e significativa envolvida nas negociações do RCEP desde o início, mas o projeto de acordo do RCEP não refletia completamente o espírito básico e os princípios orientadores acordados do RCEP, mesmo que não tratasse satisfatoriamente as questões e preocupações pendentes da Índia.

Narendra Modi
Primeiro Ministro da Índia

O Primeiro Ministro encontra-se Joko Widodo, Presidente da Indonésia

À margem

O Primeiro Ministro repetiu a importância da estrada trilateral que liga a Índia, Mianmar e Tailândia e expressou que a Índia estava a trabalhar duro para a conclusão oportuna do projeto.

No evento da comunidade ‘Sawasdee Modi em Bangkok, o Primeiro-Ministro Modi apresentou a tradução em Tailandês do clássico de Thiruvalluvar’s Tamil , Tirukkural

Parcerias Bilaterais

Na reunião com o Primeiro-Ministro Shinzo Abe, do Japão, o Primeiro-Ministro Modi concentrou-se no próximo diálogo Índia-Japão 2 + 2 e na reunião anual da Cimeira entre os dois líderes em dezembro.

O Primeiro-Ministro Vietnamita Nguyen Xuan Phuc e o Primeiro-Ministro Modi conversaram sobre extremismo e terrorismo eo  seu compromisso de apoiar a Convenção das Nações Unidas sobre a Lei do Mar (UNCLOS).

O Primeiro-Ministro Australiano Scott Morrison e o Primeiro-Ministro Modi reafirmaram o seu compromisso para um Indo-Pacífico transparente, gratuito e aberto.

A Conselheira Estadual de Mianmar, Aung San Suu Kyi, e o Primeiro-Ministro Modi conversaram sobre a conetividade aérea entre eles, e o plano da Índia de sediar um evento de negócios para países da CMLV (Camboja, Laos, Mianmar e Vietnam) em Yangon, Mianmar, no final de novembro de 2019.

A reunião do Primeiro-Ministro Modi com o Primeiro-Ministro da Indonésia Joko Widodo concentrou-se no comércio bilateral e destacou a necessidade de maior acesso ao mercado para produtos Indianos.

Na sua reunião com o Primeiro-Ministro Tailandês Prayuth Chan-Ocha, o Primeiro-Ministro Modi enfatizou o aprimoramento da conetividade entre os dois países, incluindo conetividade física e digital.

Primeiro-Ministro Modi com Shinzo Abe, Primeiro Ministro do Japão, durante o EAS em novembro

Anil Wadhwa

Anil Wadhwa serviu como embaixador indiano na Itália, Polônia, Omã e Tailândia. Membro do Serviço Exterior da Índia de 1 de julho de 1979 a 31 de maio de 2017, Wadhwa serviu nas missões indianas em Hong Kong, Pequim, Genebra, Varsóvia, Muscat, Bangkok e Roma. Atualmente, é membro sênior e líder de agrupamentos da Vivekananda International Foundation em Nova Delhi.
error: Content is protected !!